Johnny Depp: Um Maluco no “País Das Maravilhas

A cultura e as identidades são dinâmicas, pode-se descrever que tudo pode ser lido pela ótica cultural, pois o sujeito pós-moderno constrói sua identidade através do engajamento nos diversos grupos e na diversidade cultural. Simultaneamente, a narrativa ficcional cinematográfica tem a seu dispor infinitas possibilidades de produzir significados e representar identidades. Este artigo tem como objetivo estudar a relação entre cinema e identidade cultural, por meio da análise das características identitárias apresentadas nas reportagens das revistas Veja e Época, sobre o “Chapeleiro Maluco”, personagem do filme “Alice no País das Maravilhas”. Para isso, observaram-se as edições das duas revistas no período de 2008 a 2010, após o lançamento do filme, elencando-se as opiniões apresentadas sobre o personagem. Ao confrontar estes comentários com os referenciais teóricos estudados, apontam-se como resultados que as identidades traduzem relações sociais no cotidiano da sociedade e, que a narrativa ficcional se revela como uma ferramenta que permite analisar identidades e comportamentos das pessoas; bem como, fomentar discussões sobre as novas identidades na contemporaneidade.

Leia o artigo completo:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s