A Noção de Obstáculo Epistemológico

CAPÍTULO I – A Noção De Obstáculo Epistemológico (p. 17- 28)

Conhecimento do real: “O real nunca é ‘o que se poderia achar’ mas é sempre o que se deveria ter pensado”, (BACHELARD, 2005, p. 17);

Todo pesquisador deve estar atento aos seus preconceitos: “Quando o espírito se apresenta à cultura científica, nunca é jovem. Aliás, é bem velho, porque tem a idade de seus preconceitos”, (BACHELARD, 2005, p. 18);

Obstáculo = a OPINIÃO: “A ciência, tanto por sua necessidade de coroamento como por princípio, opõe-se absolutamente à opinião. Se, em determinada questão, ela legitimar a opinião, é por motivos diversos daqueles que dão origem à opinião; de modo que a opinião está, de direito, sempre errada. A opinião pensa mal; não pensa: traduz necessidades em conhecimentos. Ao designar os objetos pela utilidade, ela se impede de conhecê-los. Não se pode basear nada na opinião: antes de tudo, é preciso destruí-la. Ela é o primeiro obstáculo a ser superado”, (BACHELARD, 2005, p. 18);

Toda tese inicia com um problema, é importante saber formular bem este problema: “Em primeiro lugar, é preciso saber formular problemas”, (BACHELARD, 2005, p. 18);

Todo pesquisador deve estar atento com a clareza intrínseca abusiva de suas ideias: “Nosso espírito tem a tendência irresistível de considerar como mais clara a idéia que costuma utilizar com frequência”, (BACHELARD, 2005, p. 19);

Historiador x epistemólogo: “O historiador da ciência deve tomar as idéias como se fossem fatos. O epistemólogo deve tomar os fatos como se fossem idéias, inserindo-as num sistema de pensamento”, (BACHELARD, 2005, p. 22);

Obstáculo = primeira experiência ou OBSERVAÇÃO PRIMEIRA: “Vamos começar nossa investigação caracterizando esse obstáculo e mostrando que há ruptura, e não continuidade, entre a observação e a experimentação”, (BACHELARD, 2005, p. 25);

Obstáculo = VERBAL: “[…] isto é, a falsa explicação obtida com a ajuda de uma palavra explicativa, nessa estranha inversão que pretende desenvolver o pensamento ao analisar um conceito, em vez de inserir um conceito particular numa síntese racional”, (BACHELARD, 2005, p. 27);

Obstáculo = SUBSTANCIALISMO: “[…] à explicação monótona das propriedades pela substância”, (BACHELARD, 2005, p. 27);

Obstáculo = REALISMO: “Teremos então de mostrar que, para o físico, e sem prejulgar seu valor para o filósofo, o realismo é uma metafísica infecunda, já que susta a investigação, em vez de provocá-la”, (BACHELARD, 2005, p. 27);

Obstáculo = ANIMISTA NAS CIÊNCIAS FÍSICAS: “Com a idéia de substância e com a idéia de vida, ambas entendidas de modo ingênuo, introduzem-se nas ciências físicas inúmeras valorizações que prejudicam os verdadeiros valores do pensamento científico. Proporemos, portanto, psicanálises especiais para libertar o espírito científico desses falsos valores”, (BACHELARD, 2005, p. 27).

BACHELARD, G. A Formação do Espírito Científico. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s