Questão Pós

O primeiro palestrante do evento A “Questão Pós” nas Ciências Humanas – Pós-estruturalismo, Pós-modernidade e Pós-colonialidade foi Michel Maffesoli. O francês, vinculado à Universidade de Paris V, é conhecido pela popularização do conceito de tribo urbana e por construir uma obra em torno da ligação social comunitária nas sociedades pós-modernas.

O palestrante Michel Maffesoli abordou que o dinâmico tende a se tornar mortifico, por isso o tema do pós busca que o pensamento possa integrar a vida

O palestrante Michel Maffesoli abordou que o dinâmico tende a se tornar mortifico, por isso o tema do pós busca que o pensamento possa integrar a vida

Maffesoli iniciou sua exposição falando que o tema proposto para a conferência é muito interessante, já que um problema geral da natureza humana é entender as questões do pós. “É interessante observar que o que inicialmente é revolucionário, aos poucos vai se tornando esclerosado”, declarou. Para o sociólogo, o que é dinâmico tende a se tornar mortifico, por isso o tema do pós busca que o pensamento possa integrar a vida. “Há momentos em que o pensamento tende a enrijecer-se, pensar no pós é estar perto da vida, fugir da clausura”, alertou.

Segundo o palestrante, a vida é um processo de metamorfose, transformação de dinâmica e movimento. “Só podemos aprender uma estrutura se apreendemos um movimento, uma cultura, nada é estático”, afirmou. Durante sua fala, Maffesoli criticou a linearidade de pensamento e destacou o mito do progresso. “O século XIX é o século da modernidade, na minha opinião”, frisou.

O sociólogo francês foi o primeiro do ciclo de conferências. O evento receberá até outubro importantes pesquisadores nacionais e internacionais

O sociólogo francês foi o primeiro do ciclo de conferências. O evento receberá até outubro importantes pesquisadores nacionais e internacionais

Para o sociólogo, o fim de um mundo não é o fim do mundo. “Esse é o meu trabalho, há trinta anos eu tento mostrar o processo de sucessão das eras. Podemos dizer que existem épocas, que podem abrir e fechar, e isso é importante para entender as questões do pós. Um ciclo dura um tempo, chega ao seu apogeu e dá lugar a outro”, explicou.

Maffesoli abordou o conceito de saturação e afirmou que a pós-modernidade é uma maneira provisória de traduzir a decadência e também o surgimento de algo novo. Lembrou que a questão do progressismo é entendida como uma flecha por alguns e como um ciclo circular por outros. O pesquisador propõe entender o progresso como um modelo espiral, que reconhece que nada é eterno, mas que há uma continuidade no cerne, que é a vida.

Maffesoli foi acompanhado pelo coordenador do evento Carlos Gadea

Maffesoli foi acompanhado pelo coordenador do evento Carlos Gadea

O conferencista ainda falou da teoria, em que o conhecimento é puro e do epistemológico onde o conhecimento é colocado em prática. “Não podemos entender a vida se não entendemos como se aplica sua representação”, concluiu

http://www.juonline.com.br/index.php/universidade/09.04.2014/questao-de-pos/30a5

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s